quarta-feira, 9 de novembro de 2011

2.3 - A convocação da vaquinha

A CONVOCAÇÃO DOS ANIMAIS
– Vó Zuza, a senhora já explicou a historia da criação do burro e da vaca, mas ainda não contou como se cumpriram as profecias de que uma vaquinha estaria no presépio!
– Então, passemos à essa parte da história: o cumprimento das profecias sobre a vaquinha do presépio.
O Anjo Gabriel já tinha sido enviado a Maria, para anunciar que Ela seria a Mãe do Messias. E como Maria tinha respondido generosamente que sim, Deus já estava presente no seu seio. Talvez tenha sido o momento mais importante da história dos homens e de toda a criação! Embora no momento em que isso aconteceu, ninguém o tenha percebido, pois Maria não quis contar a ninguém que estava grávida.
A convocação da vaquinha do presépio
Nisso, Deus chamou o anjo Fanuel e disse-lhe:
– José está preocupado porque Maria em breve dará à luz a Jesus e terá que amamentá-lo. Por isso, pediu-me um presente: uma vaquinha leiteira, para que Nossa Senhora possa tomar leite durante estes dias. Portanto, Fanuel, vai resolver este assunto.
Ontem, José e Maria bateram à porta de uma casa bem pequena, de uma família pobre; são pobres, mas não miseráveis: têm uma vaquinha que dá leite, em quantidade suficiente tanto para eles quanto para a Sagrada Família. Convence a vaquinha a passar uns dias no presépio, e os seus donos a emprestá-la. Mas não reveles aos donos que o meu Filho está para nascer.
Fanuel dispôs-se a cumprir essa missão com criatividade, entrando naquela mesma noite nos sonhos dos donos da vaquinha. Ao acordar, a dona da vaquinha contou o seu sonho ao marido:
– Meu bem, eu tive um sonho muito diferente esta noite!
– Pois eu também. Mas conte-me primeiro o seu.
– Sonhei com um anjo cujo nome era bem estranho: Fanuel. No sonho, ele dizia-me que eu tinha fechado o coração a Deus por não ter acolhido aquela família que havia batido à nossa porta, ontem de tarde. Expliquei-lhe que a nossa casa era pequena e que não caberiam aqui. E perguntei-lhe então: “Que posso fazer?”
Não esperava resposta alguma, quando ele me disse: “Pelo menos, leve-lhes um pouco de comida e empreste-lhes a vaca para que possam tomar leite enquanto estiverem na gruta. E deixe a senhora dessa família utilizar o seu fogão a lenha quando Ela quiser”.
E acordei decidida a fazer tudo o que o anjo me disse no sonho.
O marido disse-lhe:
– Pois eu sonhei o mesmo. Só pode ser coisa de Deus! Vamos levar-lhes a nossa vaquinha.
Enquanto isso, o anjo Fanuel foi convencer a vaquinha leiteira.
– Vaquinha leiteira tão formosa, sou Fanuel e venho da parte de Deus para informá-la de que Ele escolheu você, dentre muitos outros animais, para que o sirva e adore o seu Filho na gruta de Belém.




Assustada, a vaquinha respondeu:
– Tem certeza? A mim?! Não é possível! Você, pelos vistos, não sabe que o meu prestígio não anda lá muito alto por aí!
– Vaquinha, não importa o que os outros animais pensem de você; só interessa o que você é diante de Deus!
A vaquinha disse com a voz tristonha:
– Está bem, está bem, eu vou!
Mas Fanuel continuou:
– Formosa, você não pode ir ao presépio como quem vai para o matadouro! Deus não a deixará entrar! Deve ir alegre como quem vai para o céu, pois o presépio é precisamente uma das suas portas.
E insistiu:
– Há alguma coisa que a preocupe? Abra o coração comigo, para que eu possa ajudá-la.
– Fanuel, aposto que, se eu for com você, dirão que não tenho opinião própria, que sigo o primeiro que aparece, que sou uma vaquinha-de-presépio.
– Formosa, não sou qualquer um! Venho da parte de Deus! E seguir a Deus é o que vai dar sentido pleno à sua vida. Cumprir a missão para a qual Deus a destinou é que dará sentido e realização à sua vida.
Mas vejo que você ainda se preocupa muito com a sua imagem e que é isso o que a impede de aceitar a vontade de Deus. Formosa, não tenha vergonha de ser boa! Os que se comportam mal e falam mal de você é que deveriam ter vergonha do que fazem! Sem o menor fundamento, acusam os que conhecem a Palavra de Deus e são coerentes com os seus ensinamentos de “radicais” ou de “vaquinhas-de-presépio”. Mas não dê ouvidos aos animais nem aos homens, pois poucos são de total confiança; dê ouvidos a Deus.
Em Deus não se pode crer a meias. Ou cremos que Ele é a verdade, a bondade em pessoa, e que tudo que nos diz e pede é para nosso bem, ou não acreditamos que seja Deus! Orgulhe-se de ser uma vaquinha de presépio, e não tenha receio de ser feliz, como jamais será nenhum dos que a acusarem.
– Puxa, Fanuel, que bronca você me deu! Mas fez-me ver as coisas mais claramente. Agora, sim, estou preparada para entrar no presépio. Estou disposta até a ser incompreendida, se Deus assim o permitir.
Mal a Formosa terminou de aceitar a sua convocação para o presépio, os seus donos chegaram para apanhá-la e levá-la até a Sagrada Família.
José assustou-se ao ver que traziam uma vaquinha leiteira para o presépio, mas imediatamente agradeceu a Deus que o seu pedido tivesse sido atendido tão rapidamente. Além da vaquinha, os vizinhos traziam também alguns queijos e uma torta, e puseram o seu fogão de lenha à disposição de Maria.