quinta-feira, 10 de novembro de 2011

1.5 - A convocação do burro de nora


E o anjo Fanuel saiu em disparada. Em um piscar de olhos, estava diante do dono do burrinho de nora, que quase desmaiou ao ver um anjo.
– Não tema! Sou o anjo Fanuel e venho da parte de Deus para pedir o seu burrinho de nora.
– Logo o meu burrinho! Ele é a fonte do meu sustento! É quem rega a minha horta!
Fanuel pensou: “Como alguns humanos são tolos! Será que não entendem que, quando Deus pede alguma coisa a alguém, é Ele quem lhe faz um favor? Se é tão bom pagador que dá cem vezes mais do que pede! Aqui, pelo jeito, vou ter que negociar”.
– Se você me der o burrinho que Deus deseja, terá chuva abundante na sua horta, de forma que não sentirá falta dele; e Deus dará fecundidade às suas terras, de maneira que produzirão bem mais durante anos e você poderá comprar cavalos, vacas e outro burrinho para a sua nora.
– Anjo Fanuel, se é assim, pode levar o meu burrinho; mas há um pequeno problema: ele é um pouco teimoso e pode empacar se não conhecer bem o caminho por onde estiver andando.
– Deixe comigo, que eu mesmo vou guiar o burrinho.
O anjo Fanuel voou até o burro e comunicou-lhe:
– Burrinho de nora tão gracioso, Deus escolheu você para uma missão muito especial. O burro respondeu:
– Tem certeza de que Deus me escolheu, logo a mim que não passo de um burro qualquer?!
– Vó Zuza, que o burro entendesse o que Deus dizia, já era espantoso; mas que ele fale com o anjo, não é demais?!



– Miro, fique sabendo que não é a primeira vez que Deus dá a um burro a graça de falar. Você nunca ouviu contar da burra de Balaão?
– Não, vó Zuza.
– Você tem que ler mais a Bíblia, pois lá se conta como a burra de Balaão falou com esse profeta. Mas, para já, deixe-me retomar a história.
O burrinho de nora não acreditava que Deus precisasse de um burro. Tanto que disse ao anjo:
– Não pode ser! Você não sabe que, quando uma pessoa não pensa com clareza, logo lhe dizem: “Como você é burro, hein!”?
– Burrinho de nora, você sabe muito bem que essa fama de o burro não ser inteligente é falsa: dentre os eqüinos, penso que os burros são os mais inteligentes de todos.
O burro não se convenceu e continuou a argumentar:
– Fanuel, você não sabe que os fazendeiros colocam nas porteiras obstáculos para que os animais não passem e os denominam “mata-burros”?
– Burrinho, sei muito bem que os “mata-burros” não são problema para você, pois, tomando distância, você sempre saltou todos os obstáculos e “mata-burros” que encontrou no seu caminho.
– Mas, Fanuel, além de tudo isso que dizem da minha espécie, eu sou um burro um pouco nervoso, às vezes me irrito com a quantidade de trabalho e solto uns zurros altíssimos, que podem espantar qualquer um.
– Burro de nora, eu ainda nem lhe disse qual seria a sua missão e você já começou a dar uma série de desculpas! Pois eu lhe digo que todas essas desculpas são “surradas” e “esfarrapadas”! Quanto aos zurros, é verdade que seria melhor se você não os soltasse, pois são bem estridentes e podem atrapalhar um pouco a sua nova missão; mas na verdade são poucos, e Deus sabe que, por mais que reclame, zurre e até ameace abandonar o seu trabalho, você nunca falhou. Deus sabe que você é um animal de total confiança. E pode parar de tentar encontrar novas desculpas, pois Deus sabe muito bem a quem escolheu: conhece você perfeitamente e lhe conferirá todas as graças para que cumpra bem a missão que Ele lhe vai confiar.
– Anjo Fanuel, está bem, eu me rendo. Qual é, afinal, essa minha missão?
– Não é pouca coisa, não! Primeiro, você levará a Mãe do Salvador às montanhas, pois Ela vai visitar a sua prima Isabel. Terá de pisar macio, pois o Messias já está no ventre dEla.
– Quer dizer que vou transportar a Mãe do Salvador dos homens e dos burros?!
– Isso mesmo. Depois, você servirá por uns meses a José, o homem escolhido para ser o pai do Messias na terra. José é carpinteiro, e precisa da sua ajuda para carregar madeira de um lado para o outro e puxar a carroça com os móveis que faz ou conserta.
A seguir, quando sair o edito do imperador para que se faça um recenseamento geral dos judeus, você irá a Belém com José e Maria, que estará com a gravidez avançada.
Em Belém, você será posto junto do presépio do Menino-Deus para adorá-lo e ajudar a aquecê-lo no dia de Natal.
Quando perseguirem o Menino para matá-lo, você levará a Sagrada Família para o Egito, e, quando o perigo passar, irá trazê-la de volta.



Um dos seus descendentes servirá mais tarde de trono para o Messias, quando, já adulto, Ele entrar solenemente na cidade de Jerusalém. E agitarão palmas, e estenderão tapetes no seu caminho, e o seu descendente poderá pisar macio.
O burrinho de nora, todo orgulhoso da sua missão, respondeu:
– Se Deus precisa tanto de mim, não posso deixá-lo na mão. Pode dizer-Lhe que sinto muita alegria em poder ser-Lhe tão útil. Mas devo informar que não conheço os caminhos que devo percorrer, pois sempre trabalhei na nora, sem sair do meu lugar.
– Não se preocupe. Deus enviou-me para guiá-lo no seu caminho.